POLÍTICA DO NÚCLEO

Este espaço foi criado e autorizado pela Sociedade de Veteranos de 1932, sede em São Paulo ( veja em Matérias Públicadas seu estatuto). Como um núcleo de pesquisas tem por objetivo investigar e trazer à memória de toda a sociedade sãopedrense a história da Revolução Constitucionalista de 1932, seus objetivos e os resultados. Por São Pedro 36 foram alistados, sendo 27 natos, inclusive meu pai.Dentre os enviados um faleceu em combate ao socorrer um amigo baleado e por esse ato de bravura é o expoente deste grupo de heróis: José Augusto Frota Escobar. Cerca de 16 colaboradores locais na retaguarda também estiveram ligados ao movimento. Todos devem ser devidamente honrados meste espaço, a partir das suas biografias que devem ser preparadas por suas famílias . São heróis sao-pedrenses. Insistimos que haja rigor com a verdade dos fatos, devendo ser relatados aqueles que tenham alguma possibilidade de serem comprovados por relato próprio em diário, carta, correios de guerra, livros e provas documentais. Evite relatar fatos não comprováveis, para não entrar em choque com o relato das biografias dos demais combatentes e colocar o relato em risco. A responsabilidade das informações será plenamente atribuída ao seu autor cujo nome deverá acompanhar a publicação neste espaço.

Contato:

João Francisco de Aguiar
Presidente
-e-mail: jfaguiar@uol.com.br








sábado, 11 de julho de 2015

NOVE DE JULHO DE 1932 EM SÃO PEDRO - SP


Prefeito Hélio Donizete Zanatta e oPrpf João Francisco de Aguiar na Praça Adolpho Bragaia, de onde o cortejo saiu em direção ao Museu Gustavo Teixeira. Por receio de chuva a ordem inicial da solenidade foi alterada. O cortejo partiu da Praça Adolpho Bragaia ( foto acima)  percorreu cerca de 10 quadras no Centro Historico, do Marco dos 50 anos de 1932  até o Museu Gustavo Teixeira onde a solenidade foi realizada em recinto fechado. Fotos a seguir

1). Texto da PMSP São Pedro, pela jornalista Priscila Fantato

O 83º aniversário da Revolução Constitucionalista foi lembrado na solenidade, especialmente a participação de 29 são-pedrenses e outras 9 pessoas que se alistaram na cidade para participar do chamado levante revolucionário paulista, que defendia novas eleições para presidente e uma nova Constituição para o país.
O grupo, acompanhado por autoridades e populares, saiu da praça Adolpho Bonifácio Bragaia, que abriga monumento dedicado aos revolucionários, e se dirigiu ao Museu Gustavo Teixeira, local em que foi realizada a cerimônia acompanhada por vários familiares de ex-combatentes.


















Um desfile de integrantes da 3ª Companhia da Polícia Militar, dos atiradores do Tiro de Guerra de São Pedro e do Grupo de Escoteiros Japopici, acompanhados pela Corporação Musical União Charqueadense, deu início nesta quinta-feira à solenidade preparada pela Prefeitura de São Pedro e a Sociedade de Veteranos de 32 – MMDC em homenagem aos combatentes de 9 de julho, data em que se celebra a Revolução e o Soldado Constitucionalista.

2) SOLENIDADE NO MUSEU GUSTAVO TEIXEIRA

Os presentes no Museu Gustavo Teixeira


As tropas perfiladas, os demais em sentido e respeito, assim foi entoado o Hino Nacional


O Mestre de Cerimonias, Pedro Luiz de Aguiar, sobrinho do cambatente de 1932 Sebastião de Azevedo Aguiar, dá início a solenidade 

Autoridades convocadas, a cerimonia é iniciada


Cerca de 300 alunos da 4 série do primeiro graum estudantes de 10 escolas da região fizeram redações sobre 1932. As tres melhores foram premiadas e lidas em publico.







Receberam a homenagem José Flávio Celestino, primo em segundo grau de Escobar, Romeu Giovanoni, Jairo Marin, Mariana Zinni, Ivone Miranda, Celso de Souza Barros, a secretária de Educação, Cleia Rivero, e o cabo da PM Marco Antonio Zaghi. Também houve entrega do certificado de gratidão do povo são-pedrense a todos os familiares de ex-combatentes.


EMOÇÃO - Aos 90 anos, Jairo Marin fez um relato emocionado sobre a chegada do corpo de José Augusto Frota Escobar à cidade, em 1932. “Eu tinha 7 anos, mas me lembro que a cidade toda, que na época era pequena, participou do velório. Foi uma grande comoção quando o corpo foi levado da matriz até o cemitério, com o sino tocando. Até hoje me emociono, todos sofremos muito”, relatou.

Entrega de diplomas de participação aos familiares dos combatentes de 1932


Entrega do Diploma José Augusto Escobar a pessoas que tem de alguma forma colaborada para a manutenção e a preservação dos ideais democráticos conquistados em 1932.




  
 Foram condecorados com a Medalha Constitucionalista o Capitão PMSP Luiz A Caron, o Sub Tenente Wagner Silva e a Secretaria de Turismo Clarissa Quiararia






Uma réplica da matraca foi doada pelo Museu Maria Soldado ( situado hoje no Colégio Santo Ivo, Lapa) para a Diretora do Museu Gustavo Teixeira, Sandra Golinelli. Representando o prof José Carlos Lima do Museu Maria Soldado (SP) Joao Francisco de Aguiar entrega a matraca para Sandra Golinelli
MATRACA –. Usado pelos revolucionários, o equipamento era utilizado para simular o uso de armamento mais pesado, já que os paulistas dispunham de poucos recursos materiais na batalha que durou aproximadamente três meses.



João Francisco de Aguiar, são-pedrense, filho do ex-combatente de 1932 Sebastião de Azevedo Aguiar  e coordenador da realização do evento e do núcleo de São Pedro da Sociedade de Veteranos de 32 – MMDC, destacou a cooperação da Prefeitura de São Pedro na restauração da solenidade que acontece pelo segundo ano consecutivo. “É preciso resgatar os valores de 32, levar esta aspiração legítima do povo paulista aos jovens e a todo o povo”, disse.



Para o prefeito Helinho Zanatta, São Paulo, como mostra a bandeira do Estado, sempre foi a favor do país. “As homenagens lembram a nossa história, o momento em que o povo paulista se uniu para exigir direitos. É um orgulho fazer parte desta história e é preciso incentivar os jovens a também conhecer estas ações de vanguarda a favor do país”, disse.












O público que acompanhou a solenidade também pode conferir uma exposição de objetos e trajes emprestados pelos familiares dos combatentes são-pedrenses. Fotos, correspondências e até um pedaço do tecido usado para confecção de barraca pelos combatentes estão expostos. Outro material que pode ser conferido no Museu são duas redações selecionadas de cada uma das 10 escolas participantes do concurso. 



GERAÇÕES - O público que acompanhou o evento era formado por várias gerações. A Revolução de 32 despertou interesse de muitas pessoas “experientes” que não esconderam emoção ao lembrar de parentes de alguma forma contribuíram para o acontecimento histórico e também de crianças como Alexia Ferreira de Oliveira, de 8 anos, estudante da Escola Joaquim Norberto. “Achei muito legal”, disse sobre o evento.

Após a cerimônia, autoridades e familiares prestaram homenagem no jazigo do herói revolucionário são-pedrense José Augusto Frota Escobar.

2) Texto de João Francisco de Aguiar, presidente do Núcleo MMDC São Pedro

As novidades em relação  a 2014 foram o Concurso de Redações e a doação oficial da Matraca ao museu local, também foram entregues Diplomas a todos os familiares de 1932. Como em 2014 foram entreguea a personagens especiais tres Medalhas Constitucionalistas e 8 diplomas Jose Augusto Escobar.Flores foram levadas ao tumulo do heroi. Ao todo mais de 100 pessoas particiaram, mas outras tantas viram o desfile.  
Fotos no link a seguir

http://www.saopedro.sp.gov.br/cerimonia-de-nove-de-julho-em-sao-pedro-tem-desfile-entrega-de-medalhas-diplomas-e-

https://www.facebook.com/media/set/?set=a.898313223538620.1073741909.211986122171337&type=3

terça-feira, 7 de julho de 2015

JOAO BATISTA MIRANDA, SOLDADO CONSTITUCIONALISTA DE 1932

Joao Batista Miranda, filho de Camila Lourenço de Miranda e Sebastiana Nunes de Moraes, nasceu em 30/07/1908 .,no sítio ao pé da Serra denominado "Macuco".Seus irmãos foram José, ana Luisa, Maria José, Maria Cecília, Sebastião, Benedito e Maria Aparecida. Com 18 anos foi convocado a servir o Governo em Itu na Cavalaria, 4 RACM número 283.Em 1932 foi convocado a lutar por São Paulo. Na foto abaixo com seus amigos da revolução. Ele é o quarto da fila de cima da esquerda para a direita

Como a maioria dos ex-combatentes não gostava de falar da sua duríssima experiencia em Buri, palco de sangrentos combates. Ele costumava referir-se à " Bárbarie de Buri".Abaixo com o regimento ao qual pertencia ( ele é o de numero 10, ao lado direito de dois soldados negros).

Ao voltar da revolução, cansado, estabeceu-se em São Pedro onde casou-se com Luzia /Brizzi, com quem teve os filhos Luiz Nilceu, Antonio de Padua, José Judas Tadeu e Lurdes Nilce. Viveu modestamente, uma vida simples, mas repleta de amigos.
Seu filho José Judas Tadeu segui seus passos e alistou-se no exército. Abaixo Jose Tadeu  esta a frente do grupo, agachado.Este filho teve por esposa Ivone Airolde de Miranda

  

Joao Batista Miranda é um dos heróis saoperdenses que serviu em 1932. Haver sobrevivido em Buri que foi o palco do mais incessante tiroteio em 1932 ( mais de 20 horas) faz dele um dos maiores heróis saopedrenses. Cansado da guerra ele costumava dizer para sua nora Ivone: "NÃO SEI REZAR MAS PEÇO A DEUS QUE NÃO HAJA MAIS GUERRA EM NOSSO PAÍS "!!!