POLÍTICA DO NÚCLEO

Este espaço foi criado e autorizado pela Sociedade de Veteranos de 1932, sede em São Paulo ( veja em Matérias Públicadas seu estatuto). Como um núcleo de pesquisas tem por objetivo investigar e trazer à memória de toda a sociedade sãopedrense a história da Revolução Constitucionalista de 1932, seus objetivos e os resultados. Por São Pedro 36 foram alistados, sendo 27 natos, inclusive meu pai.Dentre os enviados um faleceu em combate ao socorrer um amigo baleado e por esse ato de bravura é o expoente deste grupo de heróis: José Augusto Frota Escobar. Cerca de 16 colaboradores locais na retaguarda também estiveram ligados ao movimento. Todos devem ser devidamente honrados meste espaço, a partir das suas biografias que devem ser preparadas por suas famílias . São heróis sao-pedrenses. Insistimos que haja rigor com a verdade dos fatos, devendo ser relatados aqueles que tenham alguma possibilidade de serem comprovados por relato próprio em diário, carta, correios de guerra, livros e provas documentais. Evite relatar fatos não comprováveis, para não entrar em choque com o relato das biografias dos demais combatentes e colocar o relato em risco. A responsabilidade das informações será plenamente atribuída ao seu autor cujo nome deverá acompanhar a publicação neste espaço.

Contato:

João Francisco de Aguiar
Presidente
-e-mail: jfaguiar@uol.com.br








quarta-feira, 26 de junho de 2013

HERÓI SAOPEDRENSE DE 1932 Sr LUIZ BORBA


Esta Biografia fi elaborada com informações das cinco filhas vivas de Luiz Borba em 17/07/2013.
Sr. Luiz Borba  nasceu em 05/02/1905 e faleceu em 29/01/1994. Filho de Luiz Francisco Borba e Luisa Maria Niero. O nome Borba foi adotado pelo seu avô em homenagem ao Bandeirante "Borba Gato". Tinha dois irmãos, Francisco Borba e Antonio Borba. .Casou-se com Ana Maria Borba, o casal filhos gerou 8 filhos, sendo sete mulheres e um homem, Jorge. As filhas são:    Yolanda ,  Margarida  (fal.), Inez (fal.), Eunice,  Teresinha, Sílvia e Esther.  .Foi um homem trabalhador, lutador, vindo da roça, aos poucos encontrando sua profissão. Aos 20 anos foi convocado para o  exército brasileiro e serviu no Mato Grosso, cidade de Aquidauna, onde aprendeu a manejar armas e em 1932, com cerca de 27 anos,  voluntariamente apresentou-se para lutar na Revolução de 1932. Segundo suas filhas embarcou com destino a Quitaúna (SP) e dali integrou  um batalhão que serviu na região de Marília. Voltando a São Pedro teve várias propostas mas escolheu trabalhar para o Departamento Nacional de Pesquisas Minerais .  A seguir a sua foto com uniforme de combatente em 1932.

 a ma


O soldado Luiz Borba ao lado de um bezerro, já no campo de batalha, onde serviu na infantaria.Segundo relatam suas filhas, quando  na trincheira, Luiz Borba preocupava-se  com a segurança de todos. Um exemplo era o cuidado ao fumar durante a noite para não acender uma luz que sevisse de avo inimigo, sempre encobrindo a brasa do cigarro com a mão em forma de concha.  Ele costumava dizer que havia tres fases no uso do cigarro na trincheira: " um acende o fósforo, o outro traga, o terceiro morre pelo fogo inimigo".Assim, contando histórias ensinava os companheiros a sobreviver durante os tiroteios.

Sr. Luiz Borba e sua genitora, Luisa Maria Niero, após voltar da batalha de 1932.

Capacete, Medalha Constitucionalista e Medalha , MMDC e réplica do capacete em miniatura. Suas cinco filhas vivas lembram-se de que ele relatava ter sido vítima de uma bala que bateu de reaspão em seu capacete e ricocheteou, para a sua sorte. Abaixo o capacete bem conservado.
 Capacete usado em 1932, forro em boas condições, dado o tempo; Medalha Constitucionalista, Medalha MMDC e réplica em miniatura do capacete.


A foto abaixo mostra garotos escoteiros. Na segunda fila, contando-se de baixo para cima,                     Luiz Borba é o primeiro do lado esquerdo . 


A foto foi tirada em 1932 defronte a greja de Itu. Luiz Borba está na segunda fila de baixo para cima. Tome como base o primeiro do lado esquerdo de branco e olhe logo atraz deste do lado esquerdo do soldado negro, este é, segundo suas 5 filhas, o soldado e herói saopedrense Luiz Borba.Clique na foto, separe-a e vai  ve-lo.
Luiz  Borba e seus colegas em 1932, ele está em 8 lugar, da esquerda para a direita o( terceira fila de baixo para cima).Bem no centro da foto.Informação das 5 filhas entrevistadas.

O Capote usado por Luiz Borba em 1932.

sábado, 15 de junho de 2013

MARCHA DA FAMÍLIA COM DEUS PELA LIBERDADE (1964)

São Pedro, 1964. Esta faixa esta sendo segurada  por mim do lado esquerdo de quem vê, fila 2.A amiga Maria Helena de Toledo , Presidente do Núcleo de Jaguariúna está vestida de colegial do lado direito na primeira fila. . Nesta foto estão alguns ex-combatentes de 1932: De quem vê: do lado esquerdo o Sr. Joaquim Norberto de Toledo ("Quinzinho), Do meu lado direito ( de quem vê a foto) Fernando Claro da Silva ex-combatente e a seguir o meu pai, ex-combatente, de capacete (Sebastião de Azevedo Aguiar ("Zito"); Esta senhora do lado esquerdo de quem vê  foto é a prof Ondina Mendes,mulher forte, colaboradora e enfermeira, na retaguarda . Meu pai (Zito Aguiar)ao centro e do lado esquerdo, usa o capacete do ex-combatente Geraldo Pinto de Toledo, fotógrafo.                   

Nesta foto aparece oe x-combatente Geraldo Pinto de Toledo, com capacete, ao centro. Meu pai desta vez foi o fotógrafo.

sábado, 8 de junho de 2013

SOLDADO SEBASTIÃO RODRIGUES DA SILVA

Sr. Sebastião Rodrigues  da Silva, nasceu em  18/11/1914 na cidade de Sta Maria da Serra e faleceu em 01/07/2003 em São Pedro. Foi casado com Francisca Lima Rodrigues ( nascida em 18/10/1913 e falecida em 28/09/1994). O casal   teve 5 filhos, dois homens e tres mulheres, estando quatro vivos a saber Ricarda Maria Roidigues de Almeida, Maria do Carmo Spina, Sueli de Fátima da Silva e Antonio P. Rodrigues da Silva. Em São Pedro, após participar da Revolução de 1932,   foi motorista de taxi ( possuía um "Fordinho 1929").Aprovado em concurso público passou a ser servente no antigo Grupo Escolar Gustavo Teixeira - GT , onde hoje situa-se o Museu Gustavo Teixeira. Mais tarde mudou-se para São Paulo onde passou a exercer uma função de supervisão na Escola da Pirelli. Daí passou a  motorista de confiança da Diretoria. Também foi motorista da Secretaria da Educação do Grande ABC.

Na foto abaixo recebendo uma condecoração
                                                         Biografia em elaboração:
REENCONTRANDO UM DOS IRMAOS DURANTE OS COMBATES:                                          Uma passagem interessante da sua vida deu-se por ocasião da Revolução de 1932. Sebastião não via seus irmãos há muito tempo pois seus pais, com poucos recursos e em dificuldades financeiras, haviam deixado cada um dos três filhos com parentes distintos. José Maria da Silva, um dos seus irmãos tornou-se topógrafo e foi servir na Estrada de Ferro Madeira-Mamoré (Acre), voltando depois a São Paulo na época da Revolução de 1932, na qual ele também alistou-se. Pois foi justamente ao decidir servir à causa constitucionalista que, durante os combates nas trincheiras,  ambos teriam se reencontrado , uma história que prova o caráter e o valor dele e dos seus irmãos. Se ambos não houvessem aderido à causa constitucionalista talvez somente após muito tempo ou nunca mais tivessem novamente se achado.