POLÍTICA DO NÚCLEO

Este espaço foi criado e autorizado pela Sociedade de Veteranos de 1932, sede em São Paulo ( veja em Matérias Públicadas seu estatuto). Como um núcleo de pesquisas tem por objetivo investigar e trazer à memória de toda a sociedade sãopedrense a história da Revolução Constitucionalista de 1932, seus objetivos e os resultados. Por São Pedro 36 foram alistados, sendo 27 natos, inclusive meu pai.Dentre os enviados um faleceu em combate ao socorrer um amigo baleado e por esse ato de bravura é o expoente deste grupo de heróis: José Augusto Frota Escobar. Cerca de 16 colaboradores locais na retaguarda também estiveram ligados ao movimento. Todos devem ser devidamente honrados meste espaço, a partir das suas biografias que devem ser preparadas por suas famílias . São heróis sao-pedrenses. Insistimos que haja rigor com a verdade dos fatos, devendo ser relatados aqueles que tenham alguma possibilidade de serem comprovados por relato próprio em diário, carta, correios de guerra, livros e provas documentais. Evite relatar fatos não comprováveis, para não entrar em choque com o relato das biografias dos demais combatentes e colocar o relato em risco. A responsabilidade das informações será plenamente atribuída ao seu autor cujo nome deverá acompanhar a publicação neste espaço.

Contato:

João Francisco de Aguiar
Presidente
-e-mail: jfaguiar@uol.com.br








quinta-feira, 27 de setembro de 2012

A" Revolução 1932" por um jornalista e professor

Revolução Constitucionalista

Em 1932, São Paulo reage à ditadura

Alexandre Bigeli (jornalista e professor)
Da Redação, em São Paulo
UOL Educação (*)
Folha Imagem
Soldados da cavalaria rondam as ruas de São Paulo durante a Revolução Constitucionalista de 1932

No dia 9 de julho, o estado de São Paulo comemora o aniversário do Movimento Constitucionalista de 1932. A data representa um marco importante na história do estado e do Brasil. O movimento exigiu que o país tivesse uma Constituição e fosse mais democrático.
Na época, Getúlio Vargas ocupava a presidência da República devido a um golpe de Estado, aplicado após sua derrota para o paulista Julio Prestes nas eleições presidenciais de 1930. O período ficou conhecido como "A Era Vargas". A Revolução Constitucionalista de 1932 representa o inconformismo de São Paulo em relação à ditadura de Getúlio Vargas. Podemos dizer que o Brasil teve quase uma guerra civil.
Uma das principais causas do conflito foi a ruptura da política do café-com-leite - alternância de poder entre as elites de Minas Gerais e São Paulo, que caracterizou a República Velha (1889-1930). Alijada do poder, a classe dominante de São Paulo passou a exigir do governo federal maior participação.
Como resposta, Getúlio Vargas não apenas se negou a dividir poder com os paulistas como ameaçou reduzir seu poder dentro do próprio estado de São Paulo, com a nomeação de um interventor não paulista para governar o estado. Os paulistas não aceitaram as arbitrariedades de Getúlio Vargas, o que levou ao conflito que opôs São Paulo ao resto do país.

Martins, Miragaia, Dráuzio e Camargo, o MMDC

Vários jovens morreram na luta pela constituição. Entre eles, destacam-se quatro estudantes que representam a participação da juventude no conflito: Martins, Miragaia, Dráuzio e Camargo, o célebre MMDC. O movimento marcou a vida de outros milhares de paulistanos e brasileiros.

Governistas X constitucionalistas

No dia 9 de julho, o Brasil assistiu ao início de seu maior conflito armado, e também a maior mobilização popular de sua história. Homens e mulheres - estudantes, políticos, industriais- participaram da revolta contra Getúlio e o governo provisório de São Paulo.
O desequilíbrio entre as forças governistas e constitucionalistas era grande. O governo federal tinha o poder militar e os rebeldes contavam apenas com a mobilização civil. As tropas paulistas lutaram praticamente sozinhas contra o resto do país. As armas e alimentos eram fornecidos pelo próprio estado, que mais tarde conseguiu o apoio do Mato Grosso.
Cerca de 135 mil homens aderiram à luta, que durou três meses e deixou quase 900 soldados mortos no lado paulista - quase o dobro das perdas da Força Expedicionária Brasileira durante a Segunda Guerra Mundial.
Embora o movimento tenha nascido de reivindicações da elite paulista, ele teve ampla participação popular. Um dos motivos foi a utilização dos meios de comunicação de massa para mobilizar a população. Os jornais de São Paulo faziam campanha pela revolução, assim como as emissoras de rádio, que artingiam audiência bem maior.
Até hoje, a história da Revolução de 32 é mal contada. Ou, pelo menos, é contada de duas formas. Há a versão dos governistas (getulistas) e a dos revolucionários (constitucionalistas). Durante muito tempo, a versão dos getulistas foi a mais disseminada nos livros escolares do país, mas hoje, com uma maior participação dos professores na escolha do material didático,

A importância do movimento é incontestável. Seu principal resultado foi a convocação da Assembléia Nacional Constituinte, dois anos mais tarde.

Mesmo assim, a Revolução de 32 continua como um dos fatos históricos do país menos analisados, tanto no tocante às causas quanto em relação às suas conseqüências. Os livros didáticos ainda trazem pouco sobre o tema.

(*) Fonte: http://educacao.uol.com.br/historia-brasil/revolucao-constitucionalista-em-1932-elite-paulista-reage-a-ditadura.jhtm

Diploma soldado José Augusto Frota Escobar

Este diploma, já aprovado pela Sociedade de Veteranos de 1932, constitui-se na máxima honraria do Nucleo de Correspondência de São Pedro  e será uma forma justa de galardoar aqueles que colaborarem com os ideais da Revolução de 1932 e com o Núcleo de Correspondência por ocasião das datas comemorativas da revolução. São Pedro teve um herói maior em 1932, o soldado José Augusto Escobar, pois  conforme sua biografia aqui publicada, ele decidiu arriscar sua vida em combate ao lançar-se na batalha de forma corajosa para resgatar a vida de um amigo ferido e neste ato ambos faleceram. .Este ato de bravura confere alta significância ao diploma que leva o seu nome e aos   que o recebem.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Ladrilhos comemorativos da Revolução de 1932

Abaixo um modelo de ladrilho que pode ser colocado no túmulo do "revolucionário" de 1932 de forma a honra-lo devidamente perante a sociedade.As letras em latim significam "
"Pelo Brasil se fazem grandes coisas".

domingo, 23 de setembro de 2012

terça-feira, 18 de setembro de 2012

CRIAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

Criação da Universidade de São Paulo
Após a derrota da Revolução de 1932, São Paulo sentiu a necessidade de formar uma nova elite capaz de contribuir para o aperfeiçoamento do governo e a melhoria do país. Com esse objetivo um grupo de empresários fundou a Escola Livre de Sociologia e Política (ELSP), em 1933, e o interventor Armando Sales criou a Universidade de São Paulo (USP), em 1934. A ELSP desejava formar elites administrativas para os novos tempos, marcados por uma atuação crescente do Estado, enquanto a USP pretendia preparar professores para as escolas secundárias e especialistas nas ciências básicas. A sociologia norte-americana constituiu o modelo da ELSP. Já o perfil da Faculdade de Filosofia da USP foi influenciado pelo mundo acadêmido francês.
Professores estrangeiros como Roger Bastide, Emílio Willems, Donald Pierson, Pierre Monbeig e Herbert Baldus, entre outros, difundiram nas duas instituições novos padrões de ensino e pesquisa, formando as novas gerações de cientistas sociais no Brasil. A ELSP, a Faculdade de Filosofia da USP e o jornal O Estado de S. Paulo formavam o que o historiador Carlos Guilherme Motta chamou de "um tripé de sólido enraizamento cultural e político".
O entrelaçamento entre cultura e política também se fez sentir na criação do Departamento de Cultura da cidade de São Paulo em 1935, pelo prefeito Fábio Prado. Nesse órgão trabalharam Paulo Prado, Mário de Andrade, Antônio de Alcântara Machado, Rubens Borba de Moraes e Sergio Milliet.
Outra conseqüência do projeto político-cultural que se desdobrou em São Paulo após a Revolução de 1932 por iniciativa tanto de instituições governamentais como de empresas privadas foi o notável crescimento da indústria editorial.

Fonte: CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

domingo, 9 de setembro de 2012

JOSÉ AUGUSTO FROTA ESCOBAR ( "O HERÓI SAOPEDRENSE" EM 1932')

As demonstrações de abnegação e coragem foram constantes durante aqueles oitenta e sete dias de entusiasmo, vibração e guerra. Abnegação e desprendimento na retaguarda, onde mães convidavam filhos a partir. Abnegação e desprendimento nas trincheiras, onde cada qual queria se mostrar mais forte e melhor do que outro. Por isso é que a Revolução Paulista de 32 assombrou o mundo.

De uma família saopedrense dois irmãos partiram com os demais jovens de São Pedro. Um deles José Augusto Escabar, recém formado pela Faculdade de Farmácia de São Paulo ( atualmente USP) havia montado um estabelecimento farmacêutico em Garça (SP). Nessa cidade alistou-se, sem memso consultar a família. Foi prestar seus serviços médico-farmacêuticos em Buri, onde ocorreram sangrentas batalhas na Revolução de 1932.Buri é uma localidade ainda mais próxima do Paran´s edentro da região dos Campos de Itapetininga. José Augusto, com seu irmão Irineu, eram filhos de Mário Teixera Escobar, morto aos 15/01/1929 durante a s solenidade da troca de governo em São Pedro - SP.



José Augusto Frota Escobar deu uma prova magnífica de desprendimento. Oficial farmacêutico adido ao 6º R.I.  desde os primeiros dias esteve a postos na frente Sul. A 15 de agosto, em Bury, soube que seu amigo Silvio Cervelini estava ferido em campo onde se travara a luta e onde as forças ditatoriais já começavam a pôr os pés. Era perigosa qualquer incursão naquele rumo. Ele, porém, fiel à sua amizade, foi procurar o amigo ferido, quiçá morto. Foi infeliz. Encontrou apenas uma bala inimiga que o prostou e que, finalmente, levou-o ao mesmo hospital de sangue da coluna adversária. No dia seguinte, 16, a morte juntou-os, levando-os ao mesmo tempo. Sepultado em Bury, a cidade de São Pedro reclamou os seus despojos e hoje os tem no cemitério local. Ao final de alguns dias o corpo de José Augusto Escobar voltava para  nossa cidade  (Sao Pedro) num caixão de zinco. A cidade cobriu-se de luto.Eram nove horas da noite quando o corpo chegou em um carro fúnebre com o corpo de josé Augusto
 José Augusto Frota Escobar era filho do Sr. Mario Teixeira de Escobar e da Sra. Augusta Escobar e irmão de Irineu, Maria de Lourdes, Mario Antonio e Edgar Escobar, nascera em São Pedro, estado de São Paulo, a 26 de junho de 1909. Formado pela Escola de Farmácia e Odontologia de São Paulo, em 1930, exercia sua profissão em Garça, onde adquirira uma farmácia que foi conduzido à igreja matriz. Houve missa de corpo presente. muitas famílias participaram desse ato religioso Ao entrar na igreja na igreja todos se maravilharam. O interior do templo estava inteiramente coberto de líiros brancos, cultivados por sua mãe, D. Auta, no quintal de sua casa.
Fonte:
BARROS, Maria A F e MENDES DE ANDRADE, Maria do Carmo M. A Historia da nossa cidade - LXXVII . A TRIBUNA. São Pedro:  2007.MONTENEGRO,B; WEISSHON, A.A. (org.) Cruzes Paulistas: Os que tombaram em 1932 pela glória de servir São Paulo: Revista dos Tribunais, 1936. 516p. e

sábado, 8 de setembro de 2012

O NCSPSP POR UNANIMIDADE INDICA SEU PATRONO

PATRONO DO NÚCLEO DE CORRESPONDÊNCIA DE SÃO PEDRO (NCSPSP)

Nesta data estamos por unanimidade designando o combatente na Revolução de 1932 por São Pedro, José Augusto Frota Escobar " O PATRONO DO NCSPSP". Esta honraria fez-se justa em virtude do seu heroísmo durante a Revolução de 1932 ao decidir levar sua vida às últimas consequências pelos  amigos feridos em batalha. Este feito foi descrito pelos historiadores em obra publicada. Assim, de  acordo com as historiadores Andrade e Sousa,  Fracasse de Barros e Santos  ( 2009, pag. 52):

                                 "  Dos 27 que se alistaram, 26 voltaram ao final
                                 da Revolução, Um deles não teve a mesma
                                 sorte. Faleceu durante os combates em Buri
                                 onde prestava assistência aos feridos, uma
                                 vez que era farmacêutico formado. Ao
                                 socorrer um companheiro ferido foi alvejado
                                 pelo inimigo. Seu nome: José Augusto Frota
                                 Escobar, trineto do Povoador de São Pedro.

Segundo os autores este combatente foi o único saopedrense nato que alistou-se e não voltou, faleceu no campo de batalha. Este título nós a ele concedemos por sua bravura e solidariedade com seus companheiros.

Fonte Bibliográfica: Maria do Carmo Mendes Andrade e Sousa, Maria  Aparecida Fracasse e Rodrigo Luíz dos Santos. São Pedro Educação, Cultura e Turismo. Sao Paulo: Noovha America Editora e Distribuidora de Livros Ltda, 2009.  

sábado, 1 de setembro de 2012

VIDEOS HISTÓRICOS RELATAM 1932

1)      DA  REVOLUÇAO DE 1932 Á VITÓRIA COM A NOVA CONSTITUIÇÃO EM 1934
Introdução do projeto audiovisual SP 32.Resumo histórico. Narração Renato Callandria. Pesquisa e Texto Cassio Martin. Produção: Anavideo.De AVXPROFILMES.
2)        A REVOLUÇÃO DE 1932 EM FOTOS